quarta-feira, 6 de junho de 2018

Sem abrir mão da democracia

Imagino que uns e outras agem com ingenuidade política e sem nenhuma maldade, ao pregar a renúncia ao voto nas eleições de outubro.

É até compreensível diante da falta de credibilidade da classe política do nosso país, mas um erro ingênuo na busca por melhores perspectivas.

Abrir mão do voto, um direito seu de escolha dos governantes e representantes, é o mesmo que passar um cheque em branco para os aproveitadores. É enterrar a democracia, regime de liberdades, para entregar o poder a um sistema, digamos, de aventureiros ou ditatorial sem liberdades.

Menciono aqui o que disse, por exemplo, o jornalista Merval Pereira, de O Globo, em seu artigo do feriado de Corpus Christi: "... apesar da desmoralização dos políticos e do próprio governo do presidente Temer, prevalece a ideia de que mais democracia é a solução para as crises, e não menos".

Fazer boas escolhas de candidatos a cada eleição é a opção de bom senso. Não importa que erramos, nos enganamos ou fomos ludibriados. Há oportunidade de corrigirmos esse erro mais adiante. Sabe aquele ditado sábio: "Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". É isso mesmo.

Um dia este nosso país haverá de se encontrar, buscando mais e mais os instrumentos democráticos de aperfeiçoamento. A renovação, por exemplo, do quadro político e melhores partidos. Não desista disso, prefira a democracia do que um regime autoritário de exceções.

Cuidado não embarque em canoa furada, para depois ter que navegar contra a maré braba e terminar morrendo na praia, como se diz por aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A bola tá rolando

Estamos iniciando mais uma Copa do Mundo que se realiza a cada quatro anos. Já fui convidado para o jogo de estreia do Brasil x Suiça d...

MAIS VISITADAS