quarta-feira, 27 de junho de 2018

O hub aéreo de Fortaleza

Andei por Fortaleza em maio recente, e vi por lá num jornal impresso, que o hub aéreo (central de conexões) sem êxito aqui no RN, depois de tanto alarde e incentivo fiscal, emplacou no Aeroporto de Fortaleza discretamente.

Não como empreendimento das companhias LAN e TAM que juntas geraram o nome Latam. O projeto da Latam aqui era disputado no Nordeste pelos aeroportos de Natal, Recife e, inclusive, Fortaleza. Mas no Ceará se concretizou numa parceria da Air France-KLM com a GOL.

Pois bem, lá em Fortaleza essa central de conexões aérea funciona desde 3 de maio, quando foi inaugurada festivamente. E aqui no RN? Neca de pitibiriba.

Foi mais um fiasco do governo Robinson Faria (PSD), entre tantos que estão acontecendo desde o início de sua gestão. Não se pode colocar a culpa em tudo na crise financeira.

No caso do hub fortalezense um bom benefício  tem sido o barateamento das passagens aéreas para os brasileiros e ampliação dos destinos para os europeus no Norte e Nordeste, especialmente Recife , Natal, Salvador, Belém, Manaus e até Brasília.

Estamos perdendo feio desde o sonho da grande refinaria que foi para Pernambuco.

Fiquei a lamentar nossas dificuldades e falta de competência para avançarmos e prosperarmos. É isso aí: "Quem pode, pode; quem não pode se sacode."

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Vida dura de endividamento

Foi-se o tempo que a saída era pendurar a conta na bodega da esquina até o fim do mês.

Hoje cartão de crédito é o escape de muita gente para sobreviver e manter seu padrão de vida. Um perigo, porque você usa e abusa, mas perde o controle e não sabe mais como sair dele.

A exorbitância dos juros cobrados quando o consumidor (ou consumidora) fica pendurado no rotativo torna-se impagável. Nenhuma medida, até aqui, foi tomada para resolver isso.

Na verdade, as novas regras do rotativo ainda são consideradas pouco atrativa para quase um terço da população consumidora que conhece as mudanças, entrevistadas por pesquisa recente do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

E o pior é que, essa mesma pesquisa, revela que um em cada cinco usuários do cartão de crédito (20%) utilizam tal meio de pagamento como extensão da própria renda. Desconfio de que esse percentual possa ser até maior.

Quer dizer, acabam recorrendo a esse tipo de crédito para continuar comprando quando o salário do mês acaba e, assim, adiar o pagamento, conforme constata a pesquisa.

É verdade, brasileiros e brasileiras, com a crise financeira que se instalou no Brasil, desemprego e perda de rendimentos, vivem mais de cartão de crédito e cheque especial do que do salário.

Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, no entanto, nos alerta: o grande perigo de achar que o cartão de crédito funciona como renda complementar é o endividamento.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Climão de Copa

Com esse climão de Copa do Mundo, nem adianta você sair por aí buscando outros assuntos. Só se fala em resultados dos jogos, quem vai jogar, quais são as expectativas, por aí.

O noticiário político foi ofuscado pela festa do futebol mundial na Rússia. A rigor, a política vai ficar para depois da Copa. É quando o pleito eleitoral vai mesmo começar a deslanchar e esquentar.

Por enquanto, só se ouve referências a craques como Messi, Neymar Jr. e Cristiano Ronaldo, para ficar só nestes três. Mas há outros sim na disputa do mundial.

O Lionel Messi, que se apaga completamente quando disputa pela seleção argentina.Coitado! Não dá sorte mesmo. Pelo menos até aqui, com sua seleção quase eliminada da competição 2018.

Neymar que é uma esperança para os brasileiros passarem para as oitavas de final, e o português Cristiano Ronaldo que desponta como o grande craque da vez.

Parece até que na seleção de Portugal só existe ele, RC7.

Por tradição, nós sabemos que a Copa do Mundo é uma festa planetária, com 32 seleções  envolvidas. Nossa experiência mais recente foi em 2014 em que o Brasil foi sede e fez feio.

Natal, minha cidade, foi uma das sedes dos jogos. Lembro-me de que a cidade ficou em festa enquanto durou a competição, com muitos turistas lotando shoppings e outros locais.

Inesquecível, o que viveu esta cidade há quatro anos no calendário de junho.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

A bola tá rolando

Estamos iniciando mais uma Copa do Mundo que se realiza a cada quatro anos.

Já fui convidado para o jogo de estreia do Brasil x Suiça de domingo, dia 17. É no salão de festas do condomínio onde mora meu irmão Vital Luiz Costa.

O mano está completando mais um outono de vida. Aproveita para reunir familiares e amigos em seu aniversário, coincidindo com o clima festivo da Copa. Que venham muitos outros outonos pela frente.

Nesta Copa, Brasil nunca esteve tão confiante em sua seleção. Tomara que tudo dê certo com uma vitória brasileira. Nossa seleção merece, e esta pátria de chuteiras idem.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

O pinta e borda dos deputados

As denúncias feitas contra deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte pela delatora da Operação Dama de Espadas, ex-procuradora geral da Casa, Rita das Mercês Reinaldo, são por demais escandalosas. Passa dos limites.

Escancara a podridão em que mergulhou um dos Poderes constituídos no Estado, denominado enganosamente de "Casa do Povo". Nunca foi e seria mais coerente se chamar "Casa dos Desavergonhados", onde não há limite para se praticar absurdos com o dinheiro público.

A delatora contou ao Ministério Público do RN como o esquema funcionava para a compra de deputados a favor de interesses próprios, entre 2006 e 2015. Investigações que abrangem as gestões na presidência da Casa, do então deputado Robinson Faria, atual governador do Estado, e do colega Ricardo Motta.

Essa compra era feita por meio de cargos e dos chamados "funcionários fantasmas", aqueles (ou aquelas) que não comparecem ao trabalho.

O esquema beneficiava, segundo as denúncias, também desembargadores do Tribunal de Justiça do RN, conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, ex-governadores, deputados federais e senadores, bem como prefeitos e vereadores de Natal e cidades do interior.

Afinal, em que vai dar tanto escândalo? O processo, de acordo com o que se noticiou, está no  Supremo Tribunal Federal (STF), porque há envolvidos com foro privilegiado.

Esse é um dos ralos em que escorria o dinheiro público. Mas existe mais denúncia, como a de um plano de saúde bancado pela Assembleia para deputados, ex-deputados e companhia.

Daí, é lógico, se sobra de um lado, falta do outro. O lado que mais precisa, o do povo, que fica sem saúde pública, educação e segurança, entre outros bens comuns.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Sinais dos tempos

Fiquei impressionado ao dar de cara no noticiário com o que não tive mais dúvida: vivemos uma guerra surda. Quer dizer, não declarada oficialmente. Dessas que bastam os números para nos convencer do que digo aqui.

É a guerra das forças militares contra o narcotráfico. O banditismo que tomou conta do país.

Dizia em destaque uma das notícias: "Com mais de 5 mil homens, intervenção faz sua maior operação policial no Rio".

A imagem mostrava militares das Forças Armadas nas ruas do Rio de Janeiro no alto de um tanque de guerra, empunhando fuzis nas mãos. Aí não tive mais dúvida. É guerra! guerra!

O que se ouve mais nestes tempos sombrios são intensos tiroteios com rajadas de fuzis. A outrora "cidade maravilhosa" virou um campo aberto de confrontos. Salve-se quem puder!

Mas o pior é que, mesmo com perdas dos dois lados, assim como de inocentes e de quem fica no meio do fogo cruzado, não se sabe quanto tempo levará para extirpar o mal. O Rio é apenas uma amostra do que se espalha Brasil afora.

No Rio Grande do Norte, outra visão do apocalipse destes tempos. "Carro e ambulância do Corpo de Bombeiros são incendiados em Mossoró", segunda maior cidade do Estado.

E mais: "Agências bancárias, lotérica e lojas são arrombadas em três municípios". Tudo no Estado potiguar, que não consegue deter o banditismo faz tempo. A taxa de homicídios no RN cresceu 257% em dez anos, segundo o Atlas da Violência.

Mata-se mais aqui no Brasil do que em países da Europa. É ou não uma guerra?

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Fé e esperança reanimam

Por mais que a situação seja desanimadora, não podemos perder a esperança. É bom repetir aquela saiba expressão surrada, muito ouvida, que "a esperança é a última a morrer". De fato, sem essa virtude não há a fé que necessitamos para mover a vida.

Digo isso, pensando aqui com meus botões, como mudar este país, nosso Estado, esta cidade em que vivemos, diante de tantos problemas graves com que nos deparamos. Eleições aí a vista são sem dúvida boa oportunidade de transformação. Basta ter autocrítica, o que não é fácil.

As pessoas não pensam como eu penso, como você pensa. Geralmente, têm visão de vida diferente. Isso não quer dizer que eu ou qualquer outra pessoa pensem sempre certos. Erramos. O erro é comum ao ser humano. Mas poderemos pensar aproximados que nos leve para o bem comum.

Gestões municipais, estaduais e nacionais que gerem boas escolas, melhores hospitais, segurança  pública de qualidade, enfim, marcharmos para uma civilização do bem coletivo, do bem estar e da prosperidade. Com mais oportunidades de emprego e renda, habitação e menos desigualdades.

A falta de autocrítica gera individualismo, desonestidade, corrupção e criminalidade. Por isso, sempre é bom lembrar: ponha a mão na consciência para transformar seu modo de pensar e agir.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Sem abrir mão da democracia

Imagino que uns e outras agem com ingenuidade política e sem nenhuma maldade, ao pregar a renúncia ao voto nas eleições de outubro.

É até compreensível diante da falta de credibilidade da classe política do nosso país, mas um erro ingênuo na busca por melhores perspectivas.

Abrir mão do voto, um direito seu de escolha dos governantes e representantes, é o mesmo que passar um cheque em branco para os aproveitadores. É enterrar a democracia, regime de liberdades, para entregar o poder a um sistema, digamos, de aventureiros ou ditatorial sem liberdades.

Menciono aqui o que disse, por exemplo, o jornalista Merval Pereira, de O Globo, em seu artigo do feriado de Corpus Christi: "... apesar da desmoralização dos políticos e do próprio governo do presidente Temer, prevalece a ideia de que mais democracia é a solução para as crises, e não menos".

Fazer boas escolhas de candidatos a cada eleição é a opção de bom senso. Não importa que erramos, nos enganamos ou fomos ludibriados. Há oportunidade de corrigirmos esse erro mais adiante. Sabe aquele ditado sábio: "Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". É isso mesmo.

Um dia este nosso país haverá de se encontrar, buscando mais e mais os instrumentos democráticos de aperfeiçoamento. A renovação, por exemplo, do quadro político e melhores partidos. Não desista disso, prefira a democracia do que um regime autoritário de exceções.

Cuidado não embarque em canoa furada, para depois ter que navegar contra a maré braba e terminar morrendo na praia, como se diz por aí.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

A queda de Parente

Agora foi que descobriram que o tal do Pedro Parente, ex-presidente da Petrobras, não é o cara. Tarde demais para o estrago que ele provocou no país. Ah, Brasil!

Salvaram a Petrobras e o Brasil todo caiu no maior desastre, com consequências para a recuperação da economia nacional. É ruim, hein?

Aí o executivo competente não se sustentou no cargo. Sumiu de cena, ato encerrado.
____________
 Fonte: http://www.tribunadainternet.com.br/pedro-parente-e-um-executivo-irresponsavel-mas-parecia-ser-muito-competente/

A política insossa

A  eleição de 2018 pinta talvez como a mais curiosa de toda a história política do país. Sem aptidão para votar e desprezando a viciada for...

MAIS VISITADAS