segunda-feira, 24 de março de 2014

Saneamento em ritmo lento

Li editorial na mídia nacional que me deixou triste. Minha geração está condenada a não viver a universalização do saneamento básico aqui no Brasil, tão fundamental para a qualidade de vida e pôr o nosso país nos trilhos do verdadeiro desenvolvimento. E por quê? Ora, ao atual ritmo de investimentos, a  meta de universalização dos serviços de distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto só se atingirá lá para os anos de 2050. É essa a previsão. E aí é coisa apenas para as futuras gerações experimentarem.

No entanto, o Brasil está bem próximo de viver a universalização de outros serviços essenciais de infraestrutura. É o caso da energia elétrica. Sim, porque programas bem estruturados, que tiveram sequências nos governos de Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff, levantaram recursos públicos e privados para que se levasse a rede elétrica às mais longínquas residências do meio rural e a todas das zonas urbanas. Pelas informações, falta muito pouco para  concluir essa universalização que está a caminho.

Outro desafio que também está sendo vencido é o da telefonia, que aos poucos se estende a outros serviços de telecomunicações, como o da internet, o que é fácil de constatar em nossa realidade. O telefone fixo, por exemplo, hoje já se tem em toda parte, da área urbana à rural sem problemas, enquanto o da telefonia móvel se prolifera mais e mais, embora ainda com problemas que o tempo se encarregará de melhorá-los, por meio de outros investimentos necessários.

Na habitação, lembra o editorial, programas como o da Minha Casa Minha Vida contribui para diminuição do déficit habitacional brasileiro. Energia elétrica, telefonia e habitação são fatos, que hoje podem ser comemorados com bastantes avanços no país. Contudo, já do saneamento básico não se pode dizer o mesmo. O saneamento depende de obras civis mais demoradas e envolve as três esferas : governo do país, Estados e prefeituras. Embora seja serviço essencial que melhora a qualidade de vida das pessoas.

O avanço relativo dos serviços básicos de saneamento de 2004 a 2012 deixa o país na 112ª posição do ranking de 200 nações. É o que revela o Instituto Trata Brasil, organização que estuda o assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FIASCO DE GOVERNO

Está simplesmente imperdível a análise deste período de um ano e meio do governo brasileiro do ex-capitão Jair Bolsonaro, que a jornalist...

MAIS VISITADAS